The need has come

01100100 01101111 00100000 01101001 00100000 01100011 01100001 01110010 01100101 00100000 01110111 01101000 01100101 01110100 01101000 01100101 01110010 00100000 01101001 00100000 01100001 01101101 00100000 01101111 01110010 00100000 01101110 01101111 01110100 00111111 00001010 01101001 01110011 00100000 00100111 01100010 01100101 01101001 01101110 01100111 00100111 00100000 01100001 00100000 01101101 01101111 01110100 01101001 01110110 01100001 01110100 01101001 01101111 01101110 00111111

O físico perde dimensão, mas reinventa-se. Origina-se assim, por necessidade, resultante do constante renascer, adaptando-se a esta entidade mutada, à encarnação de um corpo virtual inspirado na ficção científica. Este corpo, matéria humana, evolui para um outro espetro, tecendo-se num novo ser, possibilitando o transcender a um paralelismo cibernético. Neste projecto trabalha-se um toque sem que este de facto exista, através do uso de tecnologia háptica. Vestem-se outras peles, revestidas de sensores, na urgência em preservar esta conversa táctil. Este trabalho reflete-se assim como uma ferramenta extensiva de estudo antropológico e social da conexão humana e da sua nova (não) natureza, num futurismo que se alinhava cada vez mais com o tempo presente.

Coreografia, criação, direção artística: analu 
Cenografia, assistência artística: Samuel Perea-Díaz
Artista VR (Realidade Virtual): Matias Brunacci
Interpretação: analu, Carincur
Sonoplastia: Carincur 
Design e assessoria de comunicação: Francisca Barros 
Produção executiva: analu
Produção administrativa: Sekoia – Artes Performativas
Registo vídeo: Duarte Pedroso de Lima 
Registo fotográfico: Eugenia Wasylczenko
Co-produção: Bolsa de Criação ‘O Espaço do Tempo’, com o apoio da Fundação “la Caixa” – BPI
Apoios à criação: Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação GDA, SELF-MISTAKE
Residências: O Espaço do Tempo